sábado, 7 de março de 2015

O advérbio

- Eu achei muito fofo, sabe. Ele ter vindo aqui, perguntando o seu horário, fazendo uns cálculos de cabeça para saber se daria tempo de te ver.

- Ele sempre foi assim, doutora. Sempre cuidou de mim, sempre preocupado. Quando a gente liga - só pra saber se tá tudo bem, ele já atende perguntando "o que aconteceu?". E nós respondemos o de sempre: nada, Pedro. Como é que estão as coisas aí?

Eu ainda sinto a sua falta, ainda penso em como seria diferente se você estivesse em casa nos momentos mais difíceis - nos silêncios mau-humorados, nas discussões infundadas, na penúltima temporada de House M.D. Qual é a graça de ver o House feliz, amando, se você não está aqui para compartilhar deste momento? Ficamos só eu e Lola, nessas tardes que nunca passam no tempo certo. Parece que a distância muda tudo - transforma um sentimento que já era grande num sentimento ainda maior, como se fôssemos capaz de acolher tamanha emoção - é por isso que de vez em quando, uma lágrima escorre aqui, outra ali, porque a saudade transborda, porque ela é demais, e sinceramente, nunca fui boa com intensidade. Só há um advérbio que me deixa feliz, quando conjugado com a sua pessoa tão singular: você virá amanhã nos visitar. São os advérbios de tempo - que carregam consigo a minha última alegria de sábado e a primeira de domingo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por visitar O Laço Cor de Rosa. O seu comentário é muito importante para mim!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...